História


Aqueduto da Amoreira – Elvas

O Aqueduto da Amoreira, juntamente com as muralhas, constitui o emblema da cidade de Elvas. O deficiente abastecimento de água a Elvas, tanto ao perímetro militar como à população, levou a que, nos finais do século XV(1498), se criasse um imposto – o “Real de Água”. Este tributo recaía sobre os bens de consumo e estendeu-se ao resto do país, vindo somente a terminar com a implantação da República.
O Aqueduto da Amoreira, iniciado em 1530, foi uma obra que se prolongou por um século. D. João III enviou o arquiteto régio Francisco de Arruda a Elvas para realizar o empreendimento que levasse água da Amoreira até à cidade. Ler mais…


História de um jornal… ou um jornal com história

Em 1974 surge, pela primeira vez, o Aqueduto, edição da então Escola Preparatória de Elvas. Não sabemos se foram publicados mais números dessa primeira edição, pois apenas chegou ao nosso conhecimento o número 1.
No ano letivo de 1985/86 são publicados dois jornais, manuscritos e policopiados, com o título de Eu e a Escola.
No ano seguinte encetava-se nova experiência jornalística, desta vez com mais rigor e qualidade. O jornal tem novo título: O Despertar. Todo datilografado e fotocopiado, O Despertar surge completamente remodelado e com uma periodicidade trimestral. Não foi, porém, um projeto jornalístico consistente e de continuidade. Em 1990 extingue-se, para dar lugar à primeira série do reabilitado Aqueduto.
O ano de 1993 marca o início da segunda série do Aqueduto, com algumas alterações no que diz respeito ao grafismo e às secções, culminando, dois anos mais tarde, na aventura da cor e do papel de jornal. Pela primeira vez é impresso numa gráfica, portanto fora da escola.
Por vicissitudes de vária ordem, os números seguintes, dois ou três por ano, voltaram a ser impressos na escola, até que, em 2000, se optou, decididamente, pela impressão a cores e em papel de jornal.